Pardelas (II). A pardela balear por Mar de Aves

  /  Destacados   /  Pardelas (II). A pardela balear por Mar de Aves

Pardelas (II). A pardela balear por Mar de Aves

Pardelas (II). A pardela balear por Mar de Aves

Pardelas Procellariidae

As pardelas são aves marinhas de tamanho meio ou grande. A plumaxe é de cor escura, preta, gris ou apardazada, com as partes inferiores pelo comum mais claras. O peteiro é recto, muito ganchudo no beijo e com dois “ tubos” colocados em paralelo ao longo do eixo da mandíbula superior.

Formidables voadoras, passam a meirande parte da sua vida em mar aberto cobrindo enormes distâncias todos os anos. Às compridas, estreitas e afiadas. Peitean as ondas com um voo característico que alterna planadas e bater de asas.

Alimentanse de peixe e de invertebrados marinhos que tanto “recolhem” em voo como capturam na água. São capazes de mergulhar uns poucos metros e de ir-lhe acima ao peixe nadando com as asas.

Os tubos de o beijo estão relacionados com o sentido do olfacto que é muito fino nestas aves, o que lhes permite localizar o alimento no meio do mar. Este consiste maiormente em peixe peláxico e cefalópodos. São várias as espécies que tiram partido dos descartes da pesca.

Aniñan sob terra, em tobos e coviñas. onde depositam um único ovo. A vida em as colónias é nocturna.

Em conjunto, as pardelas são um dos grupos de aves mais ameaçados do planeta, e são várias as espécies que estão prestes a desaparecer @para sempre. Uma das causas dessa situação tão desfavorável vêem dada por elas concentrar os seus efectivos reprodutores em poucos lugares, às vezes numa ilha só o que faz com que sejam muito vulneráveis a qualquer mudança a pior nas condições ecológicas da ilha. Ademais ao pôr um ovo ao ano a sua taxa reprodutiva é muito baixa pelo que lhes costa muito recuperar das perdas de povoação.

Em o Atlântico Ibérico só se conhece da existência de uma espécie de pardela a criar, a pardela cincenta, enquanto que as outras espécies comuns nos mares deGalicia, a balear e a furabuchos, vêem no Verão e no Outono principalmente.

Outras espécies de pardela podem observar-se em as Rias Baixas, sobretudo no tempo do passo migratorio de Outono. A mais abundante delas é, provavelmente, a pardela escura ( Puffinus griseus).

  • Pardela balear ( Puffinus mauretanicus)
  • Pardela cincenta( Calonectris diomedea)
  • Pardela furabuchos( Puffinus puffinus)

PARDELA BALEAR ( Puffinus mauretanicus)

PARDELA BALEAR / FURA-BUCHO BALEAR / BALEARIC SHEARWATER

Puffinus mauretanicus

35 cm de comprimento × 80 cm de envergadura. Pardela pequena de cor apardazada com as partes inferiores algo mais claras. Voo rápido pela tona da água no que alterna planadas compridas com períodos mais curtos de rápido bater de asas.

Espécie exclusiva das ilhas Baleares que adopta dispersar-se para o Atlântico depois da reprodução.

Nas águas das Rias Baixas e do Parque Nacional está presente, principalmente de julho a outubro, uma povoação aberta constituída por aves que não se reproduziram ou que já completaram a reprodução. Sempre no mar, é singelo observar bandos crianças pousados na água ou bem indivíduos solitários em voo. na boca de las Rias e por volta das ilhas do Parque.

A pardela balear está considerada como uma das aves mais ameaçadas de extinção da avifauna do nosso planeta. Isto é devido, em parte, ao feito de concentrar-se a espécie numas poucas colónias do arquipélago balear. As águas exteriores das rias, junto com o espaço marítimo dele Parque, seica constituem uma zona de alimentação importante no período depois da reprodução.

Pardela balear

  • Podes consultar nesta ligação: MAR DE AVES Portal das Aves Marinhas das Rias Baixas
  • Qué é Mar de Aves?: Mar de aves: novo site web das aves marinhas do Parque Nacional e Rias Baixas
  • Descargar de balde em PDF a Guia básica de aves marinhas do Parque Nacional e das Rias Baixas de  Nacho Munilla

Imagem destacada: Pardela balear (Puffinus mauretanicus) por Wikipedia.

Author: produccion

Share This